Dicas

8 mitos sobre a compra de seminovos

Comprar carro de mulher, em concessionária ou adaptados para deficientes? Volanty esclarece o que realmente considerar ao trocar de carro

Quando chega a hora de comprar um carro seminovo surgem milhares de dúvidas. Dentro desse universo, muitos mitos ainda são comuns, como “carro de mulher é mais conservado”, “compra de veículo de único dono é mais vantajoso” ou “carro de concessionária é um bom negócio”.

Mas será verdade? A Volanty, plataforma que conecta vendedores e compradores de seminovos, esclarece os 8 mitos mais conhecidos sobre o assunto. Confira!


Veículos de único dono valem mais a pena
Essa é uma questão relativa. Um carro pode ter pertencido a mais de um dono e todos terem sido muito cuidadosos. Da mesma forma, pode ter passado por apenas um dono e não ter sido bem cuidado. Por isso, a dica é avaliar sempre muito bem o veículo pelo qual há interesse. É importante verificar o manual do proprietário e conferir se a quilometragem condiz com o tempo de uso. As datas de cada revisão e detalhes mecânicos e estéticos também precisam ser observados. Se o comprador não tiver conhecimentos básicos em mecânica, o recomendado é levar o carro para uma avaliação de quem entende do assunto.

Comprar carros no final do mês é mais vantajoso
Há um mito de que ao final do mês a maioria dos vendedores devem ter suas metas vencidas e ficam ansiosos por bons resultados. Por isso, facilitam e podem até baixar os preços dos veículos. Sim, é possível encontrar vendedores que atingiram suas metas antes mesmo de acabar o mês, mas também se deparar com aqueles que tiveram um péssimo mês e começam o próximo dispostos a concluírem muitos negócios. Esses, têm uma tendência maior a começar o mês com excelentes facilidades para quem deseja comprar um carro. Mas além de contar com a sorte, uma boa dica é apostar na forma de pagamento. Se pagar à vista o consumidor poderá ter mais descontos.

Carros com muitos acessórios e opcionais são mais valorizados
É comum alguns proprietários acharem que se incrementarem seus veículos com alguns acessórios e opcionais valorizarão uma futura venda. O que pode ocorrer é o comprador notar a ausência de determinado item, como frisos e logotipo, uma vez que afetam a originalidade da marca. Assim, pode ocorrer ao contrário e desvalorizar o veículo, pois a falta pressupõe que o automóvel foi batido e que não houve o devido cuidado no conserto. É preciso ter muita atenção com quais são os opcionais que proporcionam conforto e que realmente são valorizados em uma venda.

Comprar seminovos de proprietárias mulheres é mais vantajoso
As mulheres tendem a ser mais cuidadosas ao dirigir, se expondo a menos situações de risco do que os homens. As seguradoras são prova disso ao fazerem distinção de preço. No entanto, isso não quer dizer que as revisões e manutenções tenham sido feitas nos prazos previstos. Alguns cuidados independem do proprietário anterior ter sido homem ou mulher. Por isso, apesar da boa reputação que a mulher conquistou, é muito importante fazer uma avaliação completa do seminovo.

Perde dinheiro quem troca seu carro na compra de um novo
Tudo depende da negociação. Além disso, há maiores chances da compra ser bem sucedida e mais segura se envolver uma empresa que faça a intermediação. No mercado existem plataformas que atuam exatamente neste segmento e cuidam de todo o processo de compra e venda, tornando a experiência mais segura e eficiente. É o caso da Volanty, cujos veículos da plataforma passam por uma inspeção rigorosa que garante um preço mais justo na venda e maior segurança na hora da compra. A startup se responsabiliza por gerir anúncios, atender potenciais compradores e finalizar toda a negociação, poupando tempo e oferecendo todo o cuidado necessário na transação.

Veículos que pertenceram a deficientes só servem para quem tem deficiência
Apesar de existirem 52 patologias que classificam uma pessoa como PcD (pessoa com deficiência), isso não quer dizer que existam muitas adaptações no veículo. Na verdade, a maioria não requer adaptação, são idênticos aos demais. A diferença é que foram adquiridos com isenção de impostos e precisam ficar no nome de quem tem a deficiência por no mínimo quatro anos.

Comprar carro usado com baixa quilometragem é uma ótima escolha
A baixa quilometragem sozinha não indica o bom estado do carro. Inclusive, um dos golpes comuns no mercado de seminovos é a adulteração da quilometragem para dar a impressão de um carro pouco rodado.

Além do mais, um automóvel que tenha ficado parado por muito tempo, não recebendo as devidas revisões e manutenções, mesmo aparentando estar em boas condições, pode estar com os sistemas comprometidos. Além da quilometragem é preciso ficar atento aos pneus, bateria, óleo do motor, ar-condicionado, embreagem, entre outros.

Comprar em lojas ou concessionárias é mais vantajoso
Segundo Maurício Feldman, sócio-fundador da Volanty, normalmente as lojas ou concessionárias cobram uma comissão de 25 a 30% sob a venda do automóvel, o que pode tornar a venda menos vantajosa. A dica é procurar plataformas que facilitem a experiência tanto para o comprador, quanto para o vendedor. É o caso da Volanty, que conecta compradores e vendedores de um jeito fácil, transparente e seguro. Além de todas as facilidades, também oferece uma taxa menor do que a aplicada pelo mercado.


Sobre o autor

Magazine Automotiva

Magazine Automotiva

Comentários no Facebook

Publicidade

Curta nossa página